Sistema de abastecimento de água contra incêndios

A água é o agente extintor mais conhecido, mais barato e mais abundante na natureza, por isso é o mais utilizado, pois é o pilar fundamental dos sistemas de extinção à base de água na proteção contra incêndios em edifícios e indústrias. É usada em aplicações manuais ou automáticas, sozinha ou com aditivos, como anticongelante, espuma, etc. É o agente extintor que, por ser livre na natureza, não precisa de nenhum processo de transformação e o seu condicionador exclusivo é basicamente a disponibilidade para o aplicar com a pressão e o fluxo necessários a cada risco específico.

Para garantir que essa pressão e vazão necessárias estão sempre disponíveis, é necessário um sistema de abastecimento de água.

Esse fornecimento é essencial para a operação de sistemas de extinção de incêndios. Um risco pode ser protegido com todos os sistemas de segurança existentes que, se o sistema de abastecimento de água não funcionar, não nos irão ajudar. O sistema de abastecimento de água é para a instalação, o que é o coração para o corpo humano. Se isso falhar (um design incorreto, instalação e manutenção inadequada, etc.), o nosso sistema será inútil.

Da PEFIPRESA, graças ao nosso amplo conhecimento baseado numa experiência com mais de 50 anos, oferecemos as melhores soluções técnico-económicas, levando em consideração as características e singularidades de cada risco, da mais alta qualidade em termos de demanda máxima e tendo sempre em atenção o meio ambiente.

O sistema de abastecimento de água contra incêndios será basicamente formado por um conjunto de fontes de água, sistemas de acionamento e uma rede geral de incêndios, projetada para garantir um ou vários sistemas de proteção específicos, o fluxo e a pressão da água necessários durante o processo e o tempo de autonomia necessário. A sua conceção deve estar sempre sujeita às regulamentações aplicáveis para a correspondente proteção contra incêndios.

Em qualquer sistema de extinção, devem ser considerados diferentes fatores para garantir a aplicação adequada da água no combate a incêndios.

Os sistemas de abastecimento de água devem ser exclusivos dos sistemas, devem estar automaticamente operacionais e a sua ativação deve ser garantida em qualquer circunstância, levando em consideração que são sistemas que estão continuamente em estado de repouso e só se tornarão operacionais na colocação em funcionamento da instalação, em testes de manutenção, inspeções e em caso de incêndio. Nesse sentido, é importante garantir que não possam ser afetados por nenhuma circunstância externa, como geada, seca ou inundação ou, no caso de motores elétricos, não poderão ser afetados pela falta de energia elétrica. Por outro lado, deve-se evitar que materiais sólidos possam obstruir os tubos. É importante destacar, por mais óbvio que possa parecer, ter água em quantidade suficiente, dependendo do tempo de autonomia exigido pelos sistemas, e ter a garantia do seu transporte através de redes de tubagens enterradas ou aéreas, tendo em mente as perdas de carga nas instalações, equipamentos específicos para cada risco (bocas de incêndios, BIES, aspersores, água pulverizada, espuma...), a demanda hidráulica de cada um, nas condições de simultaneidade estabelecidas pela regulamentação aplicável em cada caso.

O equipamento de bombeamento é o elo mais importante entre a reserva de água e as instalações e equipamentos específicos que protegem cada risco; portanto, e sem dúvida, são os primeiros de todas as instalações de extinção de incêndio à base de água. Portanto, é essencial considerar o seguinte:

  • Escolha correta das bombas (vazão e pressão).
  • Escolha correta da potência do motor (motor elétrico e motor diesel).
  • Quadros de motor de bomba com motor elétrico, bem como com motor diesel.
  • Arranque automático da bomba em qualquer circunstância e situação.
  • Desligamento manual da bomba, exceto a bomba jockey que pode ser automática.
  • Instalação adequada do equipamento (diâmetro de sucção adequado, sucção e descarga de NPSH "sob carga").
  • Acumulador hidropneumático
  • Dispositivos de medição de vazão e pressão (manovacuómetros, manómetros, pressóstatos, medidores de vazão...).
  • Válvulas de segurança de vazão mínimo.
  • Válvulas da sala de bombas, levando em consideração corretamente, entre outras; tipologia, localização, qualidade, certificações, possibilidade de controlo aberto-fechado, transmissão de estado, etc.

 

Em qualquer sistema de proteção contra incêndios, a sua confiança é essencial e, para isso, a PEFIPRESA dispõe de recursos humanos e técnicos, com base na experiência de milhares de instalações realizadas, para garantir um projeto, instalação e manutenção ideais para o funcionamento perfeito em caso de incêndio.